Com 24 anos, a rapper Yas Werneck divide atenções entre as aulas de matemática e seus shows

Yas nos palcos, Yasminie na sala de aula. Combinação não tão comum que faz essa menina chamar atenção no cenário do rap carioca. Dividindo e encarando as carreiras na música e como estudante de Matemática do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), faz questão de levar um para dentro do outro e, misturando, vai levando, até um tomar conta de seu tempo total, mas sem nunca abandonar nenhuma das duas atividades. Essa é Yasminie Wernerck, que acaba de lançar seu primeiro EP da carreira, chamado Hexagonal, e também já se aventura em dar aulas de Matemática.

 Com 24 anos, já está há cinco anos no mundo do rap. Influenciada principalmente por seu pai, ouviu muito Racionais Mc’s e MV Bill quando jovem e resolveu escrever suas primeiras músicas “Eu ouvi um cara cantar uns raps machistas, e daí, como resposta, também comecei a escrever os meus raps”. Apesar desse começo, suas letras não se baseiam somente em resposta a outros raps. Yas gosta de levar o cotidiano e tudo o que acontece em sua vida para dentro de suas rimas.

Defensora das rodas culturais no Rio de Janeiro, pontua os prós e contras que vieram junto ao movimento, mas sempre lembra da integração que a música e o movimento trazem. “As pessoas que antes não poderiam ir aos eventos hoje têm acesso. Quem está longe dos locais principais também têm acesso a outras rodas menores perto delas. Isso é maneiro”.

 Frequentadora de diversas rodas, cantando ou não, Yas mostra que, apesar da integração, nem tudo funciona como o imaginado. “Sempre me sinto muito à vontade. Eu nunca sofri preconceito direto nas rodas. Agora, olhares, convite para cantar só no mês das mulheres… Digo isso porque há rodas e rodas. Existiram aquelas em que a experiência foi 100%, e as que não foram tão perfeitas assim”.

Com batidas leves e suaves, algumas de suas músicas levam nomes de como Yas gosta de levar sua vida. “Calmaria”, “Transparente” e “Confiança” são músicas que fazem parte de seu novo trabalho, “Hexagonal”, que recentemente chegou ao Spotify e já tem mais de 10 mil visualizações em duas semanas no Youtube. Quando lançado, Yas apostou na ajuda dos fãs e colocou seu EP junto a um financiamento coletivo para coletar dinheiro e lançar seu primeiro CD físico nas ruas. O objetivo total era arrecadar mil e oitocentos reais, para o acabamento das capas e prensagem dos CD’s. Parte do valor total foi conseguido com as doações, e o disco já está disponível para venda.

Yas representa um rap que luta contra os preconceitos e tem orgulho disso. Tem como referência grandes cantoras do Hip Hop americano, como Akua Naru e Mary J. Blige. A força da voz feminina motiva essa jovem que consegue se diferenciar das outras não só nos palcos, mas também com escolhas que não combinam tanto assim com a música.


Robert Ferreira- 4º Período

Anúncios